Relato de viagem | Lisboa

No final do ano passado tivemos a oportunidade de conhecer dois lindos lugares que já estavam em nosso roteiro faz tempo: Lisboa e Barcelona. E pra não deixar passar batido, vamos dividir em dois posts o que nós achamos das duas cidades. Não é nossa pretensão falar aqui sobre os pontos ou dicas de cada uma, já que isso você acharia facilmente em blogs e veículos especializados em viagens, e cujos quais usamos bastante. Mas apenas um relato do que foram Lisboa e Barcelona na visão DELA e na visão DELE. Já adianto: 1) a cidade preferida de cada um foi diferente. 2) Está planejando uma viagem à Europa? Não pule Lisboa. Seria um grande pecado. Venha ler porquê.

 

Lisboa por ela

A primeira impressão foi um UAU! Tudo nessa cidade é grande, tem história, detalhes cuidadosos e preparada para o turista.

A facilidade do idioma de cara já deixa tudo mais familiar. A comida é próxima do que gostamos então foi delicioso experimentar sempre que podíamos um prato novo de bacalhau, doces típicos feitos de nata, vinhos portugueses excelentes… Ah os vinhos! Estes foram um capítulo à parte da viagem, pois queríamos trazer tantos, mas tantos para casa que tivemos problemas com o excesso de bagagem.

Utilizamos muito os meios de transporte público como ônibus, trens e metrôs subterrâneos. É muito fácil entender como funciona o eficiente e onipresente sistema de metrô, com ele era possível chegar em praticamente todos os principais pontos turísticos da cidade em pouco tempo e gastando muito pouco.

Conhecemos os principais pontos turísticos da cidade como o Mosteiro dos Jerônimos, os famosos Pastéis de Belém, Castelo de São Jorge, a Praça do Comércio, o lindo Oceanário de Lisboa, além de fazer dois bate-volta incríveis para Sintra e Óbidos.

Lisboa, assim como suas localidades próximas, é uma cidade limpa, organizada, barata e maravilhosa com suas belas ladeiras cheias de histórias.

 

Lisboa por ele

Quando planejamos a viagem o meu foco principal era conhecer Barcelona. Linda, cosmopolita e pulsante, a cidade espanhola sempre esteve em meus sonhos. Mas ao chegar a Lisboa percebi a injustiça de não ter sonhado com a capital portuguesa também. Absolutamente surpreendente, com suas ruelas estreitas em calçamento, subidas e descidas com uma vista mais linda do que a outra, bondinhos, tuk-tuks e restaurantes com apenas 5 ou 6 mesas extremamente aconchegantes. Lisboa é, diferente de outras metrópoles globais, intimista e encantadora e de longe a cidade mais charmosa que já conheci.

Há ainda o contraste entre a atmosfera sedutora pelos detalhes e a grandiosidade de obras que refletem a nobreza de uma nação que foi centro do mundo por quase dois séculos, no qual seus castelos, palácios e monumentos enfeitam diferentes cantos da cidade e das zonas vizinhas. É possível perceber a nobreza e a elegância de uma forte senhora, que já desfrutou dos maiores sucessos em seus tempos de glória. Lisboa é ainda um museu a céu aberto, repleta de história e de nossa história, e que nos faz sentir, ao final, também um pouco lisboeta.

Em breve um novo relato sobre nossas impressões de Barça!

Treinamento para filhos | Ter ou não ter um cãozinho?

Desde que eu me entendo por gente lembro-me de ter um cachorro em casa. Tinha vira-lata, cachorro de raça, filhotes e mais filhotes para doar. Com um quintal grande era fácil convencer meu pai de que eu queria mais um filhote. A Luna, nossa Poodle que hoje tem 18 anos, eu mesma escolhi. Se for pensar bem, ela fez parte de mais da metade da minha vida, e em praticamente todos os momentos ela estava presente.

Luna: velhinha cãopanheira.

Com o Patrick não foi diferente. Quintal grande, cachorros e mais cachorros: Vira-lata, Pastores (Belga, Alemão, Malinois), Dobermann, Rottweiler e uma infinidade de Nero e Nilo (não sei porque repetiam tanto os nomes, rsrs), de modo que crescer e viver na companhia de um amigão de 4 patas não é só normal, como faz parte da concepção de família dele.

Jolie, quanta delicadeza! Quem vê assim até pensa.

E foi assim, até nos casarmos. Antes de sairmos da casa dos pais eu vivia cercada pela onipresença da Luna com seus passinhos minúsculos ao lado da minha janela toda manhã e com a molecagem da nova habitante Jolie, nossa linda pastora alemão de energia interminável (sério, sabe o Marley do filme? Ela é 10x mais agitada, acredite). Já ele não desgarrava da doce Luna (sim, o mesmo nome da minha, eles tem esse probleminha), também pastora, mas uma lady totalmente diferente da Jolie e a Serena, vira-lata fofinha e peluda que não cansa de pular na gente.

Luna sendo Luna. Serena sendo Serena.

Quando nos casamos, toda essa ninhada ficou na casa dos pais. Afinal, é impossível conceber dois pastores dividindo espaço com a gente em um apê de 70 metros quadrados, enclausurados sozinhos durante o dia. Foi triste. Acho que até mais pra ele, já que sempre foi muito apegado. De modo que conversamos sobre, um dia, quem sabe, adotarmos um filhote.

Era uma vez um jardim. A verdadeira face da Jolie.

Esse é sempre um assunto em pauta. Ele sonha com um Beagle, eu penso em alguns mais dóceis e tranquilos. Mas a verdade é que decidimos, por ora, adiar esse sonho. Com 4 meses de casados estamos, enfim, se adaptando à nossa rotina e por mais que gostaríamos, não cabe um cachorrinho em nossas vidas agora. Não é só a falta de espaço/estrutura. É a falta de tempo de qualidade para ficar com ele. É a falta de humanidade em deixá-lo preso todo dia em um lugar em que ele mal terá como gastar sua energia, na solidão por 10, 12 horas. E é abrir mão de um estilo de vida que pela primeira vez estamos tendo um gostinho, de sermos livres, mesmo estando casados. De sermos desimpedidos para pegarmos o carro e viajar sem ter que avisar a ninguém ou conciliar com a família para ficar com ele. É não se ver obrigado a nenhuma responsabilidade que tire o nosso tempo de estar junto, uma das coisas que mais prezamos (porque é óbvio que se dedicar a cuidar de uma vida como a deles exige extrema responsabilidade). É querer não ter rotina dentro da própria rotina. (É também preservar todos os móveis novinhos de um lar recém-criado – Ai meu sofá branquinho!). Enfim, é aceitar que hoje precisamos priorizar, e priorizar significa abrir mão. Corta o coração vê-lo se despedir da Luna e tem horas que adoraria levar a Jolie pra casa, mas no momento escolhemos nos curtir e aproveitar a delícia de um período novo em nossas vidas, deixando o terceiro membro da família para daqui alguns anos. Quando isso acontecer, talvez nossa família seja mais completa (estilo a três?), e será um caminho natural percorrido com paciência e aceitação daquilo que podemos oferecer.

E você? Tem um animalzinho na família (gato, cachorro, periquito)? Casou e levou o cãozinho? Deu certo? Pensa em levá-lo se casar? Conta aí!

 

 

Personalizando o apê | Como fazer uma composição de quadros

Desde muito antes de sequer escolhermos nossa casa, ou onde ela seria e como seria, uma definição nós já tínhamos: queríamos encher ela de quadros, com elementos que pudessem nos representar de alguma forma. Não era só ir em um lugar, escolher um layout e levar pra casa, mas sim de forma que pudéssemos montá-la, com a nossa cara. E assim tem sido. Como decidimos por uma decoração entre o preto e branco, com detalhes geométricos, os quadros seguiram essa linha também.

Assim, tiramos uma fotografia da parede em que os quadros seriam colocados, levamos ela pro programa e começamos a escolher uma composição com alguns quadrinhos. Testamos várias, buscando algo harmonioso, mas assimétrico, que sempre proporciona um certo dinamismo pra área. Algumas opções de encaixe:quadros-pc

Ao. longo desse processo, fomos produzindo os quadros. Os layouts foram produzidos em gráfica e as molduras, em uma loja do bairro, dessas que se encontra sem dificuldade. Até agora, para esse painel da sala, são 6 quadros, 2 de 22×22, 2 panorâmicos de 65×25 e 2 de 30×40 cm. Todos com a moldura preta, entre 2 e 3 cm.quadros-comp

Já. com os quadros prontos e a combinação escolhida o desafio foi montar a composição na parede evitando que ficassem tortos ou o alinhamento desigual entre eles. Essa foi a parte mais difícil. Medimos as dimensões, buscando manter 5 cm entre cada um (nós escolhemos o tamanho, você pode colocar como quiser).1

Por fim, o resultado:

15049591_1128226847227258_1436208694_n3

Ainda faltam alguns em outra parede, mas já deu pra ter ideia. Gosta de inventar moda também? Conta aí.

Diário de bordo | primeiros 60 dias de casados

15086460_1129609297089013_1923916875_n

Não sei como é para as mulheres, mas entre os homens é quase consenso:

– Casou? Puts! Prepare-se.

– Tenha calma e haja paciência!

– Sua vida será outra. Muda completamente!!

– Namorar é uma coisa, casar é ooooutraaa! Totalmente diferente.

– Prepare-se pra conhecer uma nova Luiza!

– Dormir sob o mesmo teto é muito diferente!! Bem mais difícil!

– Antes vocês discutiam e bastava deixá-la em casa. Agora tem que dormir com o inimigo. É complicado…

– Aproveita, meu amigo. Aproveita enquanto está namorando, porque no dia seguinte ao casamento, tudo começa a mudar.

E passados exatos dois meses do dia em que subimos ao altar, devo dizer: nada disso ainda foi verdade. Pelo contrário. Talvez esses tenham sido os dois meses mais divertidos de nosso relacionamento, pelo menos para mim.

Sim, algumas coisas mudam. É uma nova rotina, um novo lugar onde morar, uma nova forma de fazer as coisas, novas despesas, cozinhar, lavar, faxinar.

Sim, alguns conflitos existem. Ela não gosta que eu deixe as gavetas abertas e eu não gosto que ela ande descalça.

Mas tudo isso é totalmente solucionável, com pequenas adaptações valiosas para uma convivência em harmonia. Além disso, são parte interessante de encaixe e que discutimos, refletimos, corrigimos, policiamos e vamos vivendo em frente. Sem o mínimo estresse.

Novos prazeres são descobertos a partir de novos hábitos e formas de se fazer velhas situações tem uma nova cara. Muito mais empática. Dar faxina? Ok, não é meu hobby preferido para um sábado de manhã. Mas limpar a sua casa e os móveis que você escolheu com carinho para receber seus pais em um almoço junto de sua esposa, ouvindo música, já não parece um monstro tão grande, pelo contrário. Cozinhar a dois? Pode ser também muito divertido. Lavar a roupa (a máquina lava) enquanto o outro tira o lixo e arruma a cama? Tudo certo também. Lavar o banhei… (não, esse tópico ainda estamos em fase de negociação). Mas o certo é que uma divisão de tarefas equilibrada deixa tudo mais fácil, sem que nenhum possa jogar alguma coisa na cara do outro.

3f3ca80a-e577-4c8b-9bf7-a567026f8384

E aquele papo de que você não conhece a pessoa até morar junto é a maior balela do mundo. Acho que é muito mais o fato de você não conhecê-la bem enquanto namoram, aí, naturalmente, quando se casarem vocês perceberão as diferenças, porque não se conheceram mesmo ora. Mas para nós, ainda mais depois de tanto tempo de namoro, cada defeito e virtude do outro são muito íntimos a nós. Reconhecemos aquilo que deixa o outro feliz; aquilo que o chateia; aquilo que simplesmente não importa; aquilo que importa muito. Então não há muito porque ter conflito de convivência. Para nós, por ora, o que temos é uma profunda afinidade reforçada pela proximidade e relação diária. Vivemos evitando os conflitos e buscando os momentos de felicidade, que muitas vezes são os mais simples, como acordar junto e fazer uma hora até levantar, esperar o outro para escovar os dentes dançando e, até, (pasmem) dar a terrível faxina.

3135e58c-2b01-4e71-8df5-08256f7fa684

Por enquanto é isso. Como disse acima, são apenas 2 meses. O universo é pequeno para qualquer pesquisa mais profunda, mas sobrevivemos bem e seguimos adaptando da melhor forma como conseguimos. O casamento não é o monstro que as vezes tentam nos vender. Principalmente se você escolher a pessoa certa, como eu felizmente escolhi. Câmbio, desligo.

 

 

Personalizando o apê | Como pintar sua parede

Desde que nos casamos nossa atenção focou exclusivamente em um novo brinquedo que tínhamos em mãos: um apartamento inteirinho, todo branco pra gente fazer o que quiser (pelo menos até o período da locação). Então, nesse último final de semana demos um novo passo que já vínhamos namorando há algum tempo: pintar a parede da nossa sala.

No sábado de manhã acordamos, tomamos café e fomos a uma loja de tintas em busca de um tom de cinza que pudesse manter o estilo da nossa nova morada. O resultado você pode ver abaixo, junto com algumas dicas caso queira inventar moda em seu cafofo também.

VAI PINTAR? ENTÃO NÃO SE ESQUEÇA DE TER EM MÃOS PELO MENOS :

  • 1 pincel para parede de uns 5 cm e um rolo grande de 23 cm. O pincel é bom para as quinas e o rolo é melhor para o corpo da parede.
  • Um balde de plástico para misturar a tinta. Tem umas bandejas mais propícias, mas o balde segura a onda.
  • Uma fita crepe espessa de 5 cm para cobrir os cantos, os batentes de porta e os rodapés.
  • Muito papel ou papelão para cobrir o chão.

1fc6bd0c-1f86-4238-b22f-41f60d1845de

Felizmente, todos os utensílios acima conseguimos emprestado com nosso querido casal Paulindy, então não tivemos esse gasto. Mas para quem quiser comprar, existem uns “kits pintura” que são vendidos na internet por menos de R$ 100 e vem com tudo isso.

A tinta: Compramos a Coral Decora Premium – cor Cultura Grega. Uma latinha de 800 ml foi suficiente para aplicarmos duas mãos de tinta na parede. Importante: não se esqueça de medir toda a superfície a ser pintada. Você vai precisar fazer o cálculo de quanta tinta precisará a partir dessas dimensões. Leve as medidas. O vendedor saberá te ajudar.

Antes: parede branca de 2,70 x 2,80 menos a medida da porta (não se esqueça de tirar as tampas das tomadas e adesivá-las com fita).

14798853_1103702566346353_1203265543_nFaça seu desenho. Em nosso caso pensamos em além de pintar, criar uma trama geométrica com fundo cinza. Nossa decoração da sala é quase toda em preto e branco, por isso pensamos em explorar uma das paredes com um grande painel geométrico. Caso vá fazer alguma interferência na área, lembre-se de calcular bem o tamanho de cada elemento. Uma dica é usar uma escala e fazer leves marcações de lápis na parede, indicando onde será o vértice de cada elemento.14793972_1103702569679686_1398552005_n14826257_1103702556346354_1013754765_n

Pinte primeiro os cantos e quinas. Em nosso caso dividimos: enquanto um ia pintando as laterais com pincel o outro foi pintando a parede com o rolo.14804787_1103702559679687_1855558159_n14794211_1103702576346352_1069450406_n

Primeira demão: é quando você termina de pintar e acha que vai dar tudo errado, porque a pintura não fica uniforme como o ideal. Nesse ponto, espere 4 horas até dar a segunda aplicação de tinta. Momento de tensão.

14826267_1103710509678892_1201230138_nSegunda demão: o resultado já é muito mais homogêneo. Em alguns casos pode ser necessário mais uma demão, mas no nosso não foi. A cor ficou boa e uniforme. Por isso, se possível, compre uma tinta premium, fica um pouquinho mais caro mas o resultado e menor esforço compensam.

14805369_1103702589679684_1503026356_nHora de começar a tirar as fitas: Primeiro paciência para puxar com calma, principalmente nos cantinhos. Depois com jeito para não deixar a fita partir enquanto é retirada. Apreensão e o medo de ficar uma m*.14793769_1103702599679683_186981239_n14813709_1103702643013012_378282307_n

10 horas depois, o resultado:
14793711_1103702663013010_1034296047_n14825680_1103702659679677_1601457483_n

14794166_1103702653013011_552239240_n Dá um trabalhinho e a sujeira acompanha o tempo todo (do corpo ao chão), mas ficamos muito felizes. Encontramos a identidade que queríamos para deixar um espaço importante da casa com a nossa cara. Ainda estamos aprendendo, mas valeu para o primeiro teste. E o custo da brincadeira? R$ 37,51 (R$ 31,51 da tinta mais R$ 6,00 da fita crepe). Vale a ou não vale a pena?

 

10 motivos para você fazer uma festa de casamento

14355683_1742354542696631_5628163884895394468_n

É caro, é trabalhoso, é desgastante, gera conflito, estresse e confusão. Mas por mais que você ache que não, fazer uma linda festa de casamento (independente do tamanho), ainda vale a pena. Antes de acontecer, confesso, não é tão fácil acreditar, mas depois que passa você tem a absoluta certeza que valeu cada gota de suor e cada centavo e que, provavelmente, passaria por tudo isso novamente, só pra ter mais 6 horas especiais como essa. Para você que ainda não se decidiu se fará ou não uma festa de casamento, elencamos aqui 10 motivos para você dizer sim (à festa, aos noivos e à uma noite diferente de todas as outras).

 

1) UM PROJETO COMUM

Planejar um casamento não é fácil e por isso depende de um planejamento detalhado, com inúmeras variantes. Mas isso não é ruim, pelo contrário. Na verdade em muitos casos é a primeira oportunidade que um casal tem de compartilhar um projeto em comum, em que os dois participem de forma integrada. Ok, um relacionamento já é por si só um projeto comum, mas a festa da um toque real e tangível a isso, no qual ambos estão construindo um sonho juntos, com um só objetivo, mas com esforço duplo. Sem dúvida nenhuma, pode e deve unir ainda mais o casal.file3-1

2)  DISTRIBUIÇÃO DE CONVITES

Uma das tarefas mais demoradas é a etapa de entrega dos convites. Claro que isso vai depender do número de convidados e do seu interesse em não despachar tudo pelo Correios, mas independente disso, é um período de agradáveis reencontros e que talvez não aconteceriam sem o casamento. Durante nossa entrega fomos a inúmeras casas de familiares e amigos, tomamos café e cerveja em bares com vários outros, visitamos as tias do interior, os primos afastados, os amigos mais distantes, e o retorno emocional é sempre uma delícia. Aquela energia boa que vale cada km rodado.

mont-2

3)  CHÁS E EVENTOS PRÉ-CASAMENTO

O casamento em si é ótimo, mas é também uma boa desculpa para outros eventos anteriores, como os chás (de panela, de lingerie, chábar, etc). Em nosso caso fizemos um Chárrasco e foi tão bom quanto o casamento, de verdade. Tivemos também o chá de lingerie e outros encontrinhos e todos eles, uma nova reunião de gente que se gosta.

file-1-1

file6

4)  VESTIR-SE DE NOIVOS

Para o homem até não faz taaaanta diferença (apesar de termos boas e diversas opções para os noivos também – talvez valha até um post com dicas), mas para a mulher não há nada igual. Se vestir de branco da cabeça aos pés e se ver no espelho como uma princesa é talvez uma das imagens mais marcantes da sua vida, de uma memória emotiva sem igual.

file105)  FALAR E OUVIR PALAVRAS LINDAS

Tá, você não precisa de um lugar específico para isso, mas durante a cerimônia e a festa é quando são lidas e declamadas aquelas lindas declarações de amor que serão eternizadas em vídeo e na memória. Além disso, o clima love is in the air inspira e ouvir as palavras de seu amor se declarando perante todos é muito emocionante (além de fazer um bem danado pra autoestima).

Leia também Nossos Votos:

Dela para ele

Dele para ela

6) TODAS AS PESSOAS QUE IMPORTAM REUNIDAS

Baile de formatura é legal, mas imagina ter um festão com tudo que você pode querer: música boa, comida gostosa, bebida gelada e nessa festa todos te conhecem e você gosta de todos eles também (ou quase)?! Não parece legal?! Pois é, demais! Da vontade de sair abraçando todo mundo, beber com todo mundo, uma alegria sem fim, dessas que não saem da cabeça tão cedo.

14344787_1742354652696620_3340119307263929137_n7)  MUITO AMOR ENVOLVIDO

Agora retome aquele cenário do item acima. Imagine a nuvem de amor e energia que você recebe em um lugar como esse?! Sinceramente, nós saímos completamente exaustos fisicamente, mas de energia e vibração revigoradas! Te faz querer mais todas aquelas pessoas ao seu lado e isso por si só, já é um presentão.

14741648_1099431623440114_1660266356_n8)  CHUVA DE PRESENTES

Esse, a princípio, não deve ser seu principal objetivo, mas uma consequência boa de organizar uma festa de casamento é o tanto de presentes que você dificilmente ganharia sem ela. Ao final tínhamos um quarto de coisas e créditos que nem tínhamos mais taaaanto o que fazer com eles, o que acaba sendo um grande empurrão pro início da casinha. Além disso, são muitas vezes surpreendentes e aparecem de quem você menos espera.

9) MEMÓRIAS ETERNAS

A gente vive a vida procurando sempre por momentos de alegria e prazer extremos. Porque sabemos que ao final, independente do que você conquistou ou não de material, é isso que ficará, suas memórias de momentos que verdadeiramente valeram a pena serem vividos. Em uma festa de tanta alegria você tem a chance de relembrar por fotos e vídeos cada pedacinho do que rolou e isso é uma alegria que só. Até hoje nós nos pegamos vendo um vídeo ou repassando fotos “daquela noite” e é sempre uma delícia.

file-1-1

10) NENHUM BEM MATERIAL PODERÁ TE OFERECER TANTO

Dependendo da festa ela pode representar em dinheiro o preço de um carro novo, uma entrada ou o apartamento por inteiro e todas essas são coisas muito legais, das quais vivemos a vida procurando alcançar. Mas a verdade é que tudo isso você pode conseguir em qualquer momento – dedicação e esforço à parte. Já essa celebração não, é aquele momento em que você se decidiu unir à pessoa que ama. Uma vez casados ou morando juntos, é pouco provável que vocês se dediquem novamente para planejar uma realização como essa. Além do mais, as emoções proporcionadas por esse dia não tem dinheiro no mundo que pague.

Nossos votos | Dele para ela

14370207_1742354886029930_5461267993249397500_n

“Meu luar.

Em quase todas as culturas que habitaram o planeta a lua sempre teve papel capital. Em muitas ela assumiu identidades divinas. Já foi Isis, já foi Diana, já foi Shiva. Em outras influenciou no momento da caça, da pesca e da plantação. E em quase todas foi e continua sendo nossa principal baliza determinante do tempo –  tempo, esse nosso companheiro de tantos carnavais e de tão lindas memórias.

Seu ciclo, dividido em fases marcam as etapas da vida humana. Mas poderia também marcar a etapa de nossa vida. A Nova, no caso, seria o início. Um pedido de namoro adolescente, 12 anos atrás. Assim como a lua, ela ainda era escura, misteriosa. Como sua face escondida do sol nosso relacionamento era algo que não sabíamos o que seria, desconhecido, sem visão de futuro. Mas para nós bastava. Nosso único compromisso era entre nós mesmos e a felicidade morava logo ali, entre uma e outra rua do Santa Inês, sem cobrança, sem pressão, sem a tão distante vida adulta.

Mas, assim como a face visível da lua, nossas ambições também cresceram. De Nova passou a Crescente. De namorico passou a namoro sério. Novas obrigações e desafios exigiram mais. Mais cuidado, mais presença, mais amor. Namorar deixou de ser nossa única função, mas continuou sendo nossa principal busca por felicidade.

E hoje, como a lua perfeita a iluminar esse céu, chegamos a fase Cheia. Tão mística, tão reveladora e tão fascinante. Hoje, minha lua, nos casamos. Hoje nos abrimos completamente um ao outro, nos desnudamos de qualquer segredo e nos revelamos de corpo e alma. Hoje, todas as crateras são visíveis, sem máscara, sem sombra, e o lado oculto de cada um começa a ser evidente. Mas hoje também é quando começamos a viver a luz em estado pleno e que nos deixa vislumbrar um futuro mais nítido. Um futuro de doação, de amor que se constrói, de respeito absoluto e de confiança inabalável. De união, tão forte como a força das marés. Aliás, que a lua cheia de hoje aja em nossa vida como age no mar que tanto amamos, trazendo ondas de afeto desmedido e levando pra longe as impurezas de um relacionamento destrutivo.

Que possamos viver intensamente essa fase tão esplendorosa da vida. Uma fase cheia de luz e rodeada, como hoje, por pessoas que amamos. E que quando começarmos a viver a fase Minguante, que essa nos traga a serenidade de um amor tranquilo, que encontrou sossego no peito e no coração do outro. Que saibamos que o amor aquece, mas também abranda e também acalma, sem deixar de ser amor.

Hoje, meu chamego, me caso com a minha lua. Ela, sempre um farol natural a orientar os viajantes – já ilumina o meu caminho há 12 anos. Mas dessa noite em diante será pra sempre somente a minha guia, minha companheira de jornada, me afastando da solidão até nas horas mais escuras.

Hoje, encontrei você. E prometo não te deixar ir embora pela manhã quando o sol chegar.

Minha Lu, minha luz, minha lua.

Com amor, Patrick. ”

 

 

 

Nossos votos | Dela para ele

14370193_1742354612696624_6015580735023684667_n“Há mais de 12 anos atrás decidimos caminhar juntos. Mesmo tão jovens e sem entender o peso que essa decisão teria em nossas vidas embarcamos nessa linda jornada que nos trouxe até aqui.

E não é que aquele jovem casal de adolescentes estava certo?
Passamos por muitas fases juntos, amadurecemos e vimos o nosso amor florescer.
A ansiedade e intensidade da adolescência deu lugar a um amor tranquilo e sólido e fomos percebendo que já não fazia sentido caminhar sem o outro.
Eu desejo que sejamos sempre melhores juntos, que a paciência, respeito e amor reine em nosso lar. Que tenha leveza, que o amor nos transborde e nos transforme.
Que eu possa ser para você seu porto-seguro, sua melhor amiga, seu amparo nos momentos difíceis, sua alegria ao voltar para casa e ser seu eterno amor.
E se eu pudesse voltar há 12 anos atrás eu faria tudo novamente e escolheria você todas as vezes para ser meu par.
Amo muito você.
Lu”

Enfim, casados!

Nosso tão aguardado dia chegou! E só podemos dizer que foi lindo! Problemas aparecem, decepções acontecem, mas o amor, carinho e a aura de energia positiva que cobre o lugar supera tudo. Foi a celebração de um momento único em nossas vidas e que só faz sentido quando vem envolto pelo amor das pessoas que nos querem bem e que estavam conosco, seja presencialmente, ou de longe, enviando boas energias. E temos certeza que aqui, no Estilo a dois, temos milhares de corações amorosos e que torcem por nós, por isso, nada mais natural do que compartilhar esse momento com todos vocês.

Abaixo algumas das fotos que nosso querido e talentoso fotógrafo Daniel Henrique e equipe já nos enviou. As outras, só daqui há 50 dias, mas já da pra sentir o gostinho de como foi.

14370207_1742354449363307_6628804833768217548_n

14390819_1742354589363293_3145238194686525236_n

Namore com alguém que olhe pra você como eu olho pro Padre. rs

14344787_1742354652696620_3340119307263929137_n

Nossos queridos padrinhos!

14330140_1742354426029976_8239233350476254955_n14332976_1742354562696629_4405153430962174589_n14358748_1742354389363313_431026323219993448_n14370193_1742354612696624_6015580735023684667_n14333108_1742354552696630_3717302604718818401_n14368646_1742354762696609_1644797588202481009_n14333725_1742354839363268_105895176916989247_n14358963_1742355399363212_5687060612070564972_n
14355532_1742354922696593_5942564421046574903_n
14344898_1742354459363306_1547531864523775174_n

14322728_1742355069363245_1606490231922628977_n

Não podia faltar!

14344106_1742355129363239_3653999384215876449_n14317388_1742355032696582_3760762385044274315_n

Achamos nosso apê! E ele é tudo o que a gente quer

Sabe aquele amor a primeira vista? A sensação de que aquele cantinho nasceu pra ser sua morada, que faz seu coração bater mais forte, suas mãos suarem de emoção e você dizer, MEU DEUS, É ESSE?! Então, ela não acontece. Pelo menos não assim, com todo esse show pirotécnico, porque você pode até se apaixonar de cara, mas é a construção paulatina e a perspectiva de dar cor e forma a um sonho imaterial que vai deixando tudo mais empolgante. É como uma tela em branco. Ela pode ser ótima, ter as dimensões certas, o material perfeito, mas é quando você começa a pintar que aquela obra realmente toma corpo e te fascina. Acho que é por isso que nossos pais nunca “terminam” suas casas. Há sempre uma pincelada a mais a dar. E a verdade é que a medida que você visita novos apartamentos seu cérebro começa a fazer uma rápida perspectiva mental de como sua vida se encaixaria nesse novo espaço, como você pintaria o quadro de sua vida nessa tela encontrada. É como um tour virtual do futuro e é aí que você se vê, de fato, morando ali ou não.

Para nós, a sensação mais próxima a isso aconteceu logo em nosso primeiro apartamento visitado. Depois de uma vasta pesquisa na internê, selecionamos uns 3 ou 4 e fomos ligando para agendar. Marcamos dois para um sábado pela manhã e logo no primeiro que entramos, pimba! Curtimos! Nos vimos morando lá. Frequentando aquela vizinhança, cortando os poucos quarteirões e indo a pé para o trabalho, decorando nossa sala de estar, cozinhando na cozinha apertadinha. Numa escala de pontos que começa do “incrível!”, passa pelo “ok” e vai até o “não rola”, nada ficou abaixo do tolerável. Bom começo. Mas era só o primeiro. Não podíamos sair fechando com o primeiro que achamos. Então deixamos ele em stand by e fomos procurar por novos.

Em outras visitas, outros argumentos. Uns bons, outros ok. Um muito bom, mas também muito acima de nosso orçamento. E sempre com a referência do primeiro. Depois de quase uma dezena e de dias varrendo os zapmóveis da vida decidimos pelo que vimos lá no início da procura. Incrível. O primeiro. Gostamos de pensar que era pra ser o nosso.

img_3856-1.jpg

Depois da papelada regularizada (manda documento, preenche contrato, colhe assinatura, pede certidão, registra no cartório…!) pegamos a chave. A ansiedade já era grande e no último sábado, enfim, enchemos o carro de badulaque, uns presentinhos aqui, uns negocinhos ali e fomos pela primeira vez ao nosso apartamento, vendo-o, finalmente, como nosso lar pelo próximo período de nossa vida. E essa sensação é indescritível.

A estrutura ainda é mínima (só tem a cama e hoje chega o sofá \o/), o eco ainda ressoa pelas paredes de cômodos completamente vazios, o chuveiro e o armário ainda precisam de um reparo, mas tudo isso é diminuído pelo sentimento forte de construção de um sonho em conjunto. De algo completamente seu. Mas totalmente nosso.

E de repente, nosso eixo de rotação mudou 180 graus. Lojas de arquitetura e decoração entraram em nosso radar, de modo que se antes meu Facebook era lotado de anúncios distintos, agora o algoritmo do Tio Mark só mostra promoções da Etna, Magazine Luiza e afins. É um novo universo, que assume a prioridade de um lugar que nunca existiu. E estamos adorando descobri-lo juntos.