Achamos nosso apê! E ele é tudo o que a gente quer

Sabe aquele amor a primeira vista? A sensação de que aquele cantinho nasceu pra ser sua morada, que faz seu coração bater mais forte, suas mãos suarem de emoção e você dizer, MEU DEUS, É ESSE?! Então, ela não acontece. Pelo menos não assim, com todo esse show pirotécnico, porque você pode até se apaixonar de cara, mas é a construção paulatina e a perspectiva de dar cor e forma a um sonho imaterial que vai deixando tudo mais empolgante. É como uma tela em branco. Ela pode ser ótima, ter as dimensões certas, o material perfeito, mas é quando você começa a pintar que aquela obra realmente toma corpo e te fascina. Acho que é por isso que nossos pais nunca “terminam” suas casas. Há sempre uma pincelada a mais a dar. E a verdade é que a medida que você visita novos apartamentos seu cérebro começa a fazer uma rápida perspectiva mental de como sua vida se encaixaria nesse novo espaço, como você pintaria o quadro de sua vida nessa tela encontrada. É como um tour virtual do futuro e é aí que você se vê, de fato, morando ali ou não.

Para nós, a sensação mais próxima a isso aconteceu logo em nosso primeiro apartamento visitado. Depois de uma vasta pesquisa na internê, selecionamos uns 3 ou 4 e fomos ligando para agendar. Marcamos dois para um sábado pela manhã e logo no primeiro que entramos, pimba! Curtimos! Nos vimos morando lá. Frequentando aquela vizinhança, cortando os poucos quarteirões e indo a pé para o trabalho, decorando nossa sala de estar, cozinhando na cozinha apertadinha. Numa escala de pontos que começa do “incrível!”, passa pelo “ok” e vai até o “não rola”, nada ficou abaixo do tolerável. Bom começo. Mas era só o primeiro. Não podíamos sair fechando com o primeiro que achamos. Então deixamos ele em stand by e fomos procurar por novos.

Em outras visitas, outros argumentos. Uns bons, outros ok. Um muito bom, mas também muito acima de nosso orçamento. E sempre com a referência do primeiro. Depois de quase uma dezena e de dias varrendo os zapmóveis da vida decidimos pelo que vimos lá no início da procura. Incrível. O primeiro. Gostamos de pensar que era pra ser o nosso.

img_3856-1.jpg

Depois da papelada regularizada (manda documento, preenche contrato, colhe assinatura, pede certidão, registra no cartório…!) pegamos a chave. A ansiedade já era grande e no último sábado, enfim, enchemos o carro de badulaque, uns presentinhos aqui, uns negocinhos ali e fomos pela primeira vez ao nosso apartamento, vendo-o, finalmente, como nosso lar pelo próximo período de nossa vida. E essa sensação é indescritível.

A estrutura ainda é mínima (só tem a cama e hoje chega o sofá \o/), o eco ainda ressoa pelas paredes de cômodos completamente vazios, o chuveiro e o armário ainda precisam de um reparo, mas tudo isso é diminuído pelo sentimento forte de construção de um sonho em conjunto. De algo completamente seu. Mas totalmente nosso.

E de repente, nosso eixo de rotação mudou 180 graus. Lojas de arquitetura e decoração entraram em nosso radar, de modo que se antes meu Facebook era lotado de anúncios distintos, agora o algoritmo do Tio Mark só mostra promoções da Etna, Magazine Luiza e afins. É um novo universo, que assume a prioridade de um lugar que nunca existiu. E estamos adorando descobri-lo juntos.

O primeiro móvel a gente nunca esquece

Dizem que o prazer sentido após uma compra é explicado pela liberação automática de doses de endorfina, um neuro-hormônio conhecido por despertar sensações de alegria e bem-estar em nosso corpo. Se há de fato uma explicação médica para o fenômeno da compra, pouco importa, o que vale é que todo mundo sai mais feliz carregando uma sacolinha cheia de um bem recém-comprado.

Mas na última semana, ao sair do shopping, descobrimos uma nova forma de sentir sensações já tão comuns. Um misto de cumplicidade e união, mas muito mais palpável, quase físico, de que tudo aquilo planejado e tão presente em ideia está, finalmente, se materializando. Foi quando compramos nosso primeiro móvel. Nossa cama de casal.

Seria mais uma compra. Um produto comum pra muita gente. Mas pra nós foi o primeiro de muitos primeiros que estão por vir. O primeiro móvel, o primeiro apê, nossa primeira concepção de casal enquanto família, e tudo isso construído em dupla, com duas cabeças, mas um só coração e a alegria de saber que não estamos fazendo isso para ele ou para ela, mas para nós, definitivamente, e isso muda tudo. De repente não me vejo mais querendo comprar o meu frequencímetro ou a minha bicicleta, mas sim o nosso sofá ou a nossa TV.

É engraçado. Apenas a mudança de perspectiva faz com que as mesmas coisas sejam vistas de forma diferente. Por mais que o casório seja uma realidade, com planejamento de cerimônia etc, depois que deitamos umas 7 vezes sobre o colchão, afofamos os travesseiros, escolhemos a cor do baú e fechamos a compra, o contexto do evento ganhou novos contornos. E o casamento deixa de ser a festa, a missa, a bênção, pra ser uma escolha, uma construção, de tijolinho sobre tijolinho, e uma cama deixa de ser uma cama qualquer, mas sim a nossa cama, o nosso sofá, o nosso quarto, a nossa casa, e por mais simples que seja, a nossa vida.

Nossa casinha ainda não tem nada, na verdade ela nem sequer existe, mas a partir de agora ela já tem um ponto inicial, uma cama, dois travesseiros, um edredom e um par de noivos empolgados, doidos pra continuarem escrevendo juntos o início dessa vida a dois.