#FICAADICA BH | Ateliê Wals

No início do mês fomos conhecer o recém inaugurado Ateliê da Wals. Os irmãos donos da Cervejaria Wals, já conhecida em BH, conseguiram lançar uma proposta diferente que alia design, arquitetura e tecnologia em um ambiente descolado e ao mesmo tempo elegante.

Após o impacto inicial da bela fachada do bar, fomos convidados a descer até o espaço de convivência, que se divide entre uma grande área de espera ao ar livre com DJ, a área do balcão onde as bebidas são servidas e as mesas de atendimento. O DJ anima a galera que aguarda por um SMS em seu celular avisando da liberação de sua mesa. Esperamos por 1 hora junto com um casal de amigos, mas pareceu passar um pouco mais rápido por causa desse diferencial. No espaço você pode consumir normalmente e como é aberto, vá bem agasalhado pois venta e faz bastante frio.

Ao chegar o lugar já causa um efeito UAU. Uma linda cortina de rolhas de vinho no teto, uma área de balcão enorme e bastante chamativa no centro, lustres de bolas de vidro e tonéis de madeira por todos os lados. Nossa mesa ficou um pouco escondida e achamos os garçons apesar de simpáticos, ainda se adaptando ao lançamento do espaço.

O cardápio é salgado. Drinks simples como caipirinhas custam R$25,00 e não entregam o que prometem. Tomei uma que apesar de boa, não pagaria novamente e minha amiga tomou o Petroleum Bomb que era muito amargo (feito de cerveja e portanto boa pra quem gosta – não era o meu caso).

Os chopes são variados, com preço médio de R$ 13 e tem o DNA da cervejaria que se tornou famosa para o público mineiro, com sabores mais cítricos e exóticos.

Para comer pedimos para 4 pessoas dois pratos: um torresmo de barriga e uma porção de filet mignon com fritas. O torresmo estava muito gostoso, porém mais uma vez muito caro pelo custo/benefício. Já o filet veio com uma apresentação tão simples (em um prato branco sem nada) que em botecos já comemos mais bem apresentado, mas estava gostoso. Por último uma sobremesa boa, exceto o sorvete de cerveja. Não que fosse ruim, mas em um lugar que se presta por um atendimento premium, de alto valor agregado, deveria entregar mais e melhor para justificar o custo e a experiência.

No geral gostamos. O visual do espaço chama atenção, mas peca por ainda não entregar a experiência que se propõe de um produto como esse. Acredito até que com o tempo os preços e os serviços sofrerão ajustes (porque a Backer, por exemplo, lá do ladinho oferece opções de valor mais razoáveis). Descolado, bonito, lojinha de conveniência com produtos da marca, diferente e legal para conhecer algo novo em Belory Hills.

 

Fica a Dica: O espaço tem estacionamento gratuito, mas é limitado a quantidade de carros. Chegue cedo e não sofra com os flanelinhas.

ONDE FICA?
R. Gabriela de Melo, 566 – Olhos D’Água, Belo Horizonte – MG

Dia dos Namorados | E do amor íntimo

Dias atrás refletindo sobre que escrever para o dia dos namorados pensei: depois de treze ocasiões da mesma data juntos, o que dizer que já não tenha sido dito em tanto tempo?

Comecei, como de costume, por pensar em assuntos relacionados que já teria usado. Metáforas, citações, alusões. Depois, após buscar por situações de nosso convívio – fonte de pauta diária – busquei definições conceituais sobre dois termos.

“Namorar”, segundo o dicionário dicio.com.br é:

  • Procurar inspirar amor a; requestar, cortejar; fazer a corte a; arrastar a asa para.
  • Cobiçar, desejar vivamente possuir.
  • Andar em galanteios.

Já “Íntimo” para o Priberam significa:

  • Que está muito dentro; muito interno.
  • Que existe no ânimo ou no coração.
  • Tranquilo ou aconchegante.
  • Que está muito próximo de ou tem relações estreitas com.

Foi aí que uma ficha caiu. Ai de mim de querer definir o que é “namorar”, já que existem tantas formas diferentes de amor, mas se essas são conceituações válidas então é hoje, 13 anos após nosso primeiro sim, e a primeira vez que passamos pela data sendo na verdade “casados”, em que nos sentimos mais namorados.

Parece paradoxal, eu sei. Mas faz sentido, porque casados desfrutamos de um novo tipo de namoro. O namoro íntimo. Esse ilustre desconhecido que tem muita coisa a nos mostrar todos os dias.

Tem manhãs de abraços na cama, tem cafés na padaria aos sábados, tem caminhadas de mãos dadas à feira, tem deliciosos almoços com o que sobrou na geladeira, tem tardes vazias de tarefas e repletas de carinho, tem quilos de pipoca nos cinemas de casa, tem edredom com Nat Geo, Home Health ou ESPN, tem jantares especiais (e também aqueles com mais vinho e menos vergonha), tem parceria na tarefa diária, tem a nossa casa aberta aos nossos amigos. Tem a nossa cara em cada canto da nossa casa, tem cumplicidade, tem vida e tem novas histórias.

Não faltou amor nesses anos. Tampouco sedução ou galanteio. Mas hoje o amor tem um sabor diferente, salpicado por novas emoções que mesmo após uma década de relacionamento, deixa um gosto diferente na boca, e um sorriso sereno no rosto.

P.S.: Um dia desses voltando no carro perguntei à Lu se ela se sentia íntima a mim. E ela, cerrando os olhinhos e afrouxando o sorriso disse, afundando em meu ombro: sim. E eu, naquele momento, soube que nosso amor mudou. E é o amor que celebramos nesse novo 12/06. Um amor íntimo, como todo amor nasceu pra ser.

11 pequenas descobertas da vida a dois

Passados pouco mais de 7 meses desde o “sim” definitivo, estamos experimentando um mar de descobertas a cada novo dia. Viver a dois dividindo uma casa é também dividir momentos de extrema felicidade, algumas frustrações e outras coisas menores que serão parte fundamental de sua vida sem que ao menos se dê conta, como tirar o lixo e fazer as compras no sábado. E isso definitivamente não é ruim (pelo menos a maior parte, as vasilhas da pia são ruim sim). É uma nova rotina, diferente e simples, mas com detalhes nos quais estão escondidas as pequenas alegrias de uma vida a dois.

Por isso, abaixo listamos algumas dos detalhes que percebemos nesse pouco tempo, desde que nos mudamos da casa dos nossos pais para o nosso novo home sweet home. Alguém se identifica?

1- A velocidade bizarra que uma geladeira se esvazia depois de fazer supermercado.

 

 


2- Tirar o lixo é bem importante, mas ainda nos esquecemos dele várias vezes. (E infelizmente a quantidade de lixo que um simples casal é capaz de produzir!)

 

 

3- Se o parceiro não entrar na dieta, você não vai emagrecer. (Um salve pra batata recheada do último domingo a noite com Neflix).

 

 

4- Acordar e dormir ao lado de quem se ama é uma das melhores coisas do MUNDO. Fato!

 

 

5- As contas nunca param de chegar, por mais que você as pague todos os meses.

 

 

6- A liberdade de não ter de dividir a TV com a novela da sua mãe é mágica (mas ainda sim às vezes tem o tal canal de futebol do marido. P.S.: alguém me explica a necessidade de ver um jogo repetido que você já sabe o resultado? )

 

 

7- Dar faxina não é tão romântico como nos filmes do cinema.

 

 

8- A personalidade do casal não muda. Somos exatamente iguais a antes do casamento, só que mais próximos, mais companheiros e mais apaixonados.

 

 

9- É difícil guardar dinheiro com tantos sonhos e possibilidades a realizar.

 

 

10- A saudade dos seus pais é um temperinho maravilhoso para os encontros com eles.

 

 

11- A sujeira das vasilhas é exponencial, nunca acaba. Pior do que as contas.

 

 

12- As plantas morrem se não regá-las. Essa descoberta foi bem triste na verdade.

#FICAADICA BH | 68 La Pizzeria

Quer um lugar legal para sair em casal ou curtir com a família? A 68 La Pizzeria é uma boa dica! No coração do bairro de Lourdes, a 68 possui uma decoração elegante, moderna e diferenciada. O espaço possui pequenos lounges, um salão principal, outros menores, uma adega e um lindo espaço aberto nos fundos, que pode ser fechado para festas particulares. O atendimento é bom e as opções do cardápio que honram a verdadeira pizza de Nápoles são de dar água na boca.

Escolhemos um dos sabores de pizzas mais famosos da casa: La Premiata: Muçarela especial, queijo parmesão, champignon trifolati, brie, presunto de Parma e basílico. E olha, que boa escolha, viu?!  É divina! Massa crocante, recheio delicioso.

Não é um lugar dos mais baratos, mas não achamos nada absurdo. A casa possui ainda várias cervejas artesanais, vinhos dos mais variados tipos e sobremesas divinas. Com certeza valeu a pena a visita.

RUA FELIPE SANTOS 68   .   LOURDES  T:  31 3291-7466  BH.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Relato de viagem | Lisboa

No final do ano passado tivemos a oportunidade de conhecer dois lindos lugares que já estavam em nosso roteiro faz tempo: Lisboa e Barcelona. E pra não deixar passar batido, vamos dividir em dois posts o que nós achamos das duas cidades. Não é nossa pretensão falar aqui sobre os pontos ou dicas de cada uma, já que isso você acharia facilmente em blogs e veículos especializados em viagens, e cujos quais usamos bastante. Mas apenas um relato do que foram Lisboa e Barcelona na visão DELA e na visão DELE. Já adianto: 1) a cidade preferida de cada um foi diferente. 2) Está planejando uma viagem à Europa? Não pule Lisboa. Seria um grande pecado. Venha ler porquê.

 

Lisboa por ela

A primeira impressão foi um UAU! Tudo nessa cidade é grande, tem história, detalhes cuidadosos e preparada para o turista.

A facilidade do idioma de cara já deixa tudo mais familiar. A comida é próxima do que gostamos então foi delicioso experimentar sempre que podíamos um prato novo de bacalhau, doces típicos feitos de nata, vinhos portugueses excelentes… Ah os vinhos! Estes foram um capítulo à parte da viagem, pois queríamos trazer tantos, mas tantos para casa que tivemos problemas com o excesso de bagagem.

Utilizamos muito os meios de transporte público como ônibus, trens e metrôs subterrâneos. É muito fácil entender como funciona o eficiente e onipresente sistema de metrô, com ele era possível chegar em praticamente todos os principais pontos turísticos da cidade em pouco tempo e gastando muito pouco.

Conhecemos os principais pontos turísticos da cidade como o Mosteiro dos Jerônimos, os famosos Pastéis de Belém, Castelo de São Jorge, a Praça do Comércio, o lindo Oceanário de Lisboa, além de fazer dois bate-volta incríveis para Sintra e Óbidos.

Lisboa, assim como suas localidades próximas, é uma cidade limpa, organizada, barata e maravilhosa com suas belas ladeiras cheias de histórias.

 

Lisboa por ele

Quando planejamos a viagem o meu foco principal era conhecer Barcelona. Linda, cosmopolita e pulsante, a cidade espanhola sempre esteve em meus sonhos. Mas ao chegar a Lisboa percebi a injustiça de não ter sonhado com a capital portuguesa também. Absolutamente surpreendente, com suas ruelas estreitas em calçamento, subidas e descidas com uma vista mais linda do que a outra, bondinhos, tuk-tuks e restaurantes com apenas 5 ou 6 mesas extremamente aconchegantes. Lisboa é, diferente de outras metrópoles globais, intimista e encantadora e de longe a cidade mais charmosa que já conheci.

Há ainda o contraste entre a atmosfera sedutora pelos detalhes e a grandiosidade de obras que refletem a nobreza de uma nação que foi centro do mundo por quase dois séculos, no qual seus castelos, palácios e monumentos enfeitam diferentes cantos da cidade e das zonas vizinhas. É possível perceber a nobreza e a elegância de uma forte senhora, que já desfrutou dos maiores sucessos em seus tempos de glória. Lisboa é ainda um museu a céu aberto, repleta de história e de nossa história, e que nos faz sentir, ao final, também um pouco lisboeta.

Em breve um novo relato sobre nossas impressões de Barça!

TENSÃO PRÉ- CASAMENTO | Por uma noiva ansiosa

657x302

Teste de cabelo e maquiagem, reunião com decorador, contraprova de degustação, cerimonial, chá de panela, prova de vestido, escolha de acessórios… A lista de coisas para fazer parece interminável e realmente é. Só não parece tão monstruosa quanto para nossos queridos noivos que ficam com a “seleção da seleção”, aquele filtro dos últimos 3 fornecedores de uma lista com 40, afinal, quem vai confiar tarefas tão detalhistas a eles, os reis da praticidade?

Confesso, sou aloka da planilha do check list. Passo e repasso mil vezes o que ainda falta, mas fui tão prática em fechar diversos fornecedores só por Whatsapp que fico até espantada. Não conheço a cara de vários e espero que tudo saia conforme combinado! #OREMOS

casamento-noivos-altar

Imagino que as noivas sejam 98% iguais (Bridezillas kkkk). Todas nós queremos um casamento que saia como meticulosamente planejado, igualzinho os das princesas Disney (tirando o fato de que elas não devem contar com uma queda de energia em seus Castelos ou um buffet de salgadinhos frios e cervejas quentes). Seria muito  mais fácil se tivéssemos uma fada madrinha como elas. As vezes até temos (o que seria de nós sem um cerimonial atencioso?), mas como elas ainda não vêm com varinha encantada incluso no pacote, fico eu aqui, estressada e controladora.

Acho que isso é resquício de minha época como coordenadora de eventos, em que confiar em fornecedores nunca era fácil. Sei que muitas coisas podem e vão dar errado. A ansiedade aumenta, mas já estou tentando me preparar psicologicamente para isso e deixar mil planos B traçados. Será que existe um Santo das Noivas??

Diferentemente do Patrick, coloquei mais energia na comemoração do casamento e não no pós, na vida a dois. Não que eu não ache legal e nem queira muito isso, mas meu sonho de casar de véu, grinalda e uma festança já faz parte do meu imaginário desde sempre e acompanhar esse sonho se tornando realidade é uma satisfação muito grande. Quanto ao pós casório? Isso a gente vai construindo depois, lado a lado, focando no carinho, na paciência, no respeito e na parceria. Já fazemos isso há 12 anos, não é possível que seja tão difícil. Então, por ora, que venha a festança!

 

Filhos, interrogação.

Nascer, crescer, multiplicar e morrer. Desde que o mundo é mundo esse é o percurso natural da vida e da forma como ela é compreendida em sua maioria. Sim, maioria, mas não sua totalidade pois dessa equação um elemento ainda é facultativo, o multiplicar.

Giovana: afilhada de coração <3

Giovana: afilhada de coração <3

Casais que tomam a decisão de não terem filhos formam uma parcela cada vez maior da população. Um fenômeno mundial de pessoas que optam por não colocar uma criança no mundo. E se essa era uma escolha até então impensável para nós, hoje é totalmente compreensível. Os motivos são os mais variados e todos eles muito pertinentes.

Falta de segurança: as manchetes diárias dos jornais nos assustam. Todo dia um novo exemplo de violência, injustiça e intolerância ganha destaque na imprensa. O mundo não parece melhorar e colocar uma criança nesse ambiente truculento, poluído e viciado parece mesmo amedrontador.

Custo: um filho é fofo, mas também é caro. A cada ano surge um novo estudo com números que revelam o alto gasto com uma criança do nascimento até seus 18 anos. “Ah, mas não é assim, onde come um, comem dois”. Bem, pode até ser. Mas é certo que todo pai busca dar o máximo ao seu filho, tentando oferecer a ele mais do que teve quando criança. Dividir o pouco que tem e ter um bebê sem a consciência de que poderá dar a ele o que merece pode muitas vezes parecer irresponsável.

Tempo: sem dúvida para nós, hoje, o maior problema disparado! Em uma vida atribulada de compromissos que preenchem nossas agendas e que fazem da geração Y o maior exemplo de workaholic, é bastante difícil conciliar as variáveis “vida profissional bem sucedida” e “pais presentes e engajados com a criação do filho”. Um desafio para essa geração e um impacto grande para as próximas.

Escolha de vida: o casal tem dinheiro, tempo, não se preocupa com a violência, mas ainda sim não pensa em ser pai/mãe. Não querem acordar de madrugada com bebê chorando, não querem deixar de viajar a dois, não querem dividir o que conquistaram ou abrir mão de uma liberdade/autonomia que a vida em casal permite. Ou ainda, não gostam de crianças. Escolha. Pura e simples. E totalmente lícita e justa.

Em nosso caso, contudo, crianças complementam o imaginário de uma vida feliz. Somos filhos de famílias com casas cheias, com pai, mãe, irmãos (no plural), cachorro, gato, periquito. Talvez por isso nossa concepção de lar seja o formato “tradicional”, de modo que esperamos sim num futuro ter um par de guris correndo atrás da gente, puxando pela calça e pedindo um punhado de balas ou um brinquedo da loja.

Leia também: Eu namoro, tu casas, eles engravidam

Ainda é cedo. Tanto eu quanto a Lu adoramos crianças e ela sempre fala que acredita que só veio ao mundo mulher com o objetivo de ser mãe, e isso é algo que eu adoro nela, pois não vejo ninguém melhor para ser mãe dos filhos que eu espero ter. Mas a vida é uma caixinha de surpresas. Coisas acontecem, cenários se alteram e opiniões mudam. Filhos para nós é algo esperado, mas a ideia de não tê-los é também cada vez mais coerente de modo que nenhuma decisão seja irreversível. Como sempre, vamos vivendo por etapas. Planejando, mas também esperando o que a vida tem para nós.

Se 12 anos fossem 12 meses

Tempo. Talvez seja esse o recurso mais importante da vida. Aquele que ao final, independente de raça, credo ou gênero, independente do que ficou de saldo em sua conta corrente, será, sem dúvida, o remédio pelo qual clamaremos. Mais tempo. Nem que sejam alguns minutinhos. Apenas para realizar o que faltou em nossa lista de prioridades, ou para fazer de novo aquilo que nos marcou a ponto de querer repetir.

De todas as invenções humanas, a ideia de dividir um determinado período em horas, depois dias, meses e anos provavelmente foi a melhor forma de criar ciclos e marcar recomeços, nos dando a oportunidade de reiniciar sempre, com novas expectativas, interesses e objetivos. Independente do caminho que tomou, você sempre poderá recomeçar e tentar novamente, pois um novo dia se inicia.

E hoje, ao completar 12 anos de namoro, um novo ciclo está para começar. É o nosso último aniversário que comemoramos “solteiros”. A partir do próximo ano começamos uma nova contagem, uma experiência diferente, marcada como tempo de casado. Zeramos uma volta no ponteiro e começamos outra. Só possível por causa de 12 anos de entrega que deixaram marcas e nos prepararam para essa nova jornada.

12998473_981428841911747_897498935486030177_n

12 anos. 12 anos não são 12 meses, pensamos. Mas e se fossem? Se fossem, estaríamos hoje marcando o fim de um ciclo, mas já comemorando o início de outro. E não é exatamente isso o que estamos fazendo?

Se fossem, teríamos vivido os primeiros anos de relacionamento na temperatura dos primeiros meses do ano. Um verão incandescente de maravilhosas descobertas a dois. Tempo onde a diversão era o nosso único e maior objetivo. De uma vida adolescente, sem trabalho ou grandes preocupações. Um período de férias na praia, de carnaval, descompromissado e por isso tão gostoso e ainda vivo em nossa memória. (Afinal não é sempre nas férias onde tiramos a maior quantidade de fotos?). Um trimestre que forjou nossa relação, selando almas tão diferentes a ponto das duas escolherem caminharem juntas. O início. Até que as águas de março fecharam o verão.

Se 12 anos fossem 12 meses, abril marcaria justamente uma fase de amadurecimento do relacionamento que passou a conviver com novas prioridades. A escola dava lugar a faculdade. O ócio dava lugar ao compromisso profissional. Outono começava com dias cinzentos ainda não vistos, mas com sua beleza “desabrochante” de algo que recomeça. Agora mais maduro, mas nem por isso menos intenso. Abril, maio e junho representaram a transição entre um namoro adolescente e a expectativa de uma vida a dois adulta. Brigas aconteceram. Algumas sérias. Mas serviram para cimentar o lugar que o relacionamento levaria em nossa vida. Nem excessivamente sufocante, nem como um mero coadjuvante. A busca pelo equilíbrio em um caminho no qual folhas e excessos se perdem, para renascerem mais belos na frente.

Junho começou tempestuoso. Quem não conhece a fatídica briga dos sete anos? O relacionamento estava consolidado, ao mesmo tempo em que a fase das grandes descobertas já se fora. O novo só é novo quando acontece pela primeira vez e depois disso, já não é mais tão fácil se impressionar. O inverno trouxe outros questionamentos. Mas foi também a época que nos exigiu buscar razões para continuar. E elas estavam lá. Por trás da crosta de amenidades a essência se mantinha a mesma do verão de outrora. Duas almas que eram só uma e que apesar de buscarem coisas diferentes, queriam buscar juntas. Alguns chamariam isso de amor. Provavelmente era. Muito maior do que a paixão, foi esse o sentimento que nos deu fôlego para buscar a primavera.

E assim ela surgiu. Chegamos a um amor sereno. Redescoberto. Com a beleza do carinho da primavera. Nem tudo são flores, é verdade, mas do 9º até hoje, quando completamos o décimo segundo ano, foi quando nos sentimos mais conectados. Máscaras não existem mais. A cobrança já não vem se não tiver importância. E nada é mais importante do que nós, em plenitude. Todos os nossos interesses, desejos e emoções buscam caminhar juntos e só dessa forma fazem algum sentido. Meu Deus, como isso é claro agora.

E hoje, nesse 12 anos, vivemos um período de festas. Superamos o renascimento do Natal e estamos vivendo o foguetório de réveillon, nos despedindo de um ano velho e especial, e nos preparando para novos 12 meses de uma fase encantadora. Talvez ela sofra das mesmas adversidades de dias passados. Mas se assim for, eu aceito de corpo e alma.  Porque ao seu lado todo o tempo do mundo será sempre pouco tempo. E eu não posso deixar de apreciá-lo.

Feliz 12 anos.

Com amor.

 

Patrick

Eu namoro, tu casas, eles engravidam

casamento-blog-debora-martins

Você nasce. Cresce. Quando adolescente curte os primeiros rolês no shopping, o primeiro porre com sua tribo. De repente está trocando os primeiros beijinhos. Nessa nova fase você descobre infinitas possibilidades. A partir daí, todo passeio, festa, sala de aula e reunião com os primos passam pela paquera. Pelo flerte. Que evolui para o sexo (também a primeira vez) ou não.  Você amadurece mais um pouco e começa então a namorar. A mina é legal. O cara é engraçado. Por aí vai. Namora mais um pouco. Termina. Começa com outro. Termina. Volta. E a vida caminha. De repente pular de galho em galho não te agrada tão mais. Você tem menos tempo devido aos compromissos da vida e então opta por qualidade ao invés de quantidade. As coisas caminham bem. Vocês se gostam, se respeitam, a vida profissional também evolui e o dinheiro não está transbordando mas já te oferece um pouco mais de estabilidade. Nesse momento as pessoas começam a perguntar. Vocês começam a se perguntar. Está na hora de casar? Decidem que sim. E casam-se. Vivem. Viajam. Estão felizes. Realizados. Ou não. Começam a sentir falta de algo que ainda não tem. Como? Pois é. Um próximo passo. E de repente é isso que é esperado de vocês. Natural. Os métodos contraceptivos começam a ser negligenciados. Vocês não estão oficialmente tentando. Mas também não estão tão preocupados em impedir.  Até que um dia recebem a notícia. Vocês estão oficialmente grávidos. Uma alegria nunca antes sentida. Mas um medo proporcional à responsabilidade de colocar um novo ser no mundo. Uma forma diferente de encarar a vida e mais uma etapa cumprida.

Essa não é uma história real. Mas pode muito bem ser para alguns. E isso, definitivamente, não representa um problema. É algo natural, cultural e talvez até mesmo fisiológico, já que o corpo humano é movido por hormônios que muitas vezes influenciam diretamente em nossos hábitos. Mas confesso que nos últimos meses temos refletido mais sobre como a vida parece ser claramente dividida em fases e como nós nos guiamos (ou somos guiados) por elas.

Veja só que curioso. Hoje, entre os 25 e 30 anos, temos grande parte de nossos amigos com a mesma faixa etária e em uma fase da vida similar. Somente em 2016 temos, além do nosso, 4 outros casamentos, todos eles de casais semelhantes. Isso já aconteceu com você? Aposto que sim.

gravidez - coimbra

Paralelamente a isso temos outra remessa de amigos, de mesma idade ou um pouco mais velhos que optaram por casar antes. Esses, normalmente acima de dois anos de casados, estão já em outra fase e pensando na maternidade, seja de maneira mais distante ou num futuro bem próximo. Final de semana passado fizemos as contas e descobrimos que temos ao todo, 7 (S-E-T-E) casais de amigos grávidos. Incrível! Teremos que ter drinks sem álcool para as gestantes ou espaço kids para os babys em nossa festa. Eles já estão no next level da brincadeira.

Pode parecer coincidência, mas é inegável que temos um padrão. Uma geração que se comporta com base nessas referências. Daqui alguns anos seremos nós a pensarmos em filhos e muito provavelmente nossa criança nascerá no mesmo ano do filho de nossos amigos que estão se casando agora.

Talvez para as próximas gerações esse senso linear e quase previsível de construção de família possa se esvair. Mesmo porque a concepção de família tem mudado, uma vez que elas são cada vez mais diversas e cheias de possibilidades. Essa representará uma mudança significativa da formas como nos relacionamos com o mundo ao nosso redor e para com aquilo que entendemos que sejam nossas obrigações. Mas isso é papo para um próximo post. Por ora, continuemos nos preocupando com os casórios de 2016 e em ninar essa leva de neném gostoso que está para nascer.

P.S.: Se você é o detentor dos créditos de alguma das imagens utilizadas nesse post, entre em contato. Teremos o maior prazer em creditá-las à você.