11 pequenas descobertas da vida a dois

Passados pouco mais de 7 meses desde o “sim” definitivo, estamos experimentando um mar de descobertas a cada novo dia. Viver a dois dividindo uma casa é também dividir momentos de extrema felicidade, algumas frustrações e outras coisas menores que serão parte fundamental de sua vida sem que ao menos se dê conta, como tirar o lixo e fazer as compras no sábado. E isso definitivamente não é ruim (pelo menos a maior parte, as vasilhas da pia são ruim sim). É uma nova rotina, diferente e simples, mas com detalhes nos quais estão escondidas as pequenas alegrias de uma vida a dois.

Por isso, abaixo listamos algumas dos detalhes que percebemos nesse pouco tempo, desde que nos mudamos da casa dos nossos pais para o nosso novo home sweet home. Alguém se identifica?

1- A velocidade bizarra que uma geladeira se esvazia depois de fazer supermercado.

 

 


2- Tirar o lixo é bem importante, mas ainda nos esquecemos dele várias vezes. (E infelizmente a quantidade de lixo que um simples casal é capaz de produzir!)

 

 

3- Se o parceiro não entrar na dieta, você não vai emagrecer. (Um salve pra batata recheada do último domingo a noite com Neflix).

 

 

4- Acordar e dormir ao lado de quem se ama é uma das melhores coisas do MUNDO. Fato!

 

 

5- As contas nunca param de chegar, por mais que você as pague todos os meses.

 

 

6- A liberdade de não ter de dividir a TV com a novela da sua mãe é mágica (mas ainda sim às vezes tem o tal canal de futebol do marido. P.S.: alguém me explica a necessidade de ver um jogo repetido que você já sabe o resultado? )

 

 

7- Dar faxina não é tão romântico como nos filmes do cinema.

 

 

8- A personalidade do casal não muda. Somos exatamente iguais a antes do casamento, só que mais próximos, mais companheiros e mais apaixonados.

 

 

9- É difícil guardar dinheiro com tantos sonhos e possibilidades a realizar.

 

 

10- A saudade dos seus pais é um temperinho maravilhoso para os encontros com eles.

 

 

11- A sujeira das vasilhas é exponencial, nunca acaba. Pior do que as contas.

 

 

12- As plantas morrem se não regá-las. Essa descoberta foi bem triste na verdade.

Relato de viagem | Lisboa

No final do ano passado tivemos a oportunidade de conhecer dois lindos lugares que já estavam em nosso roteiro faz tempo: Lisboa e Barcelona. E pra não deixar passar batido, vamos dividir em dois posts o que nós achamos das duas cidades. Não é nossa pretensão falar aqui sobre os pontos ou dicas de cada uma, já que isso você acharia facilmente em blogs e veículos especializados em viagens, e cujos quais usamos bastante. Mas apenas um relato do que foram Lisboa e Barcelona na visão DELA e na visão DELE. Já adianto: 1) a cidade preferida de cada um foi diferente. 2) Está planejando uma viagem à Europa? Não pule Lisboa. Seria um grande pecado. Venha ler porquê.

 

Lisboa por ela

A primeira impressão foi um UAU! Tudo nessa cidade é grande, tem história, detalhes cuidadosos e preparada para o turista.

A facilidade do idioma de cara já deixa tudo mais familiar. A comida é próxima do que gostamos então foi delicioso experimentar sempre que podíamos um prato novo de bacalhau, doces típicos feitos de nata, vinhos portugueses excelentes… Ah os vinhos! Estes foram um capítulo à parte da viagem, pois queríamos trazer tantos, mas tantos para casa que tivemos problemas com o excesso de bagagem.

Utilizamos muito os meios de transporte público como ônibus, trens e metrôs subterrâneos. É muito fácil entender como funciona o eficiente e onipresente sistema de metrô, com ele era possível chegar em praticamente todos os principais pontos turísticos da cidade em pouco tempo e gastando muito pouco.

Conhecemos os principais pontos turísticos da cidade como o Mosteiro dos Jerônimos, os famosos Pastéis de Belém, Castelo de São Jorge, a Praça do Comércio, o lindo Oceanário de Lisboa, além de fazer dois bate-volta incríveis para Sintra e Óbidos.

Lisboa, assim como suas localidades próximas, é uma cidade limpa, organizada, barata e maravilhosa com suas belas ladeiras cheias de histórias.

 

Lisboa por ele

Quando planejamos a viagem o meu foco principal era conhecer Barcelona. Linda, cosmopolita e pulsante, a cidade espanhola sempre esteve em meus sonhos. Mas ao chegar a Lisboa percebi a injustiça de não ter sonhado com a capital portuguesa também. Absolutamente surpreendente, com suas ruelas estreitas em calçamento, subidas e descidas com uma vista mais linda do que a outra, bondinhos, tuk-tuks e restaurantes com apenas 5 ou 6 mesas extremamente aconchegantes. Lisboa é, diferente de outras metrópoles globais, intimista e encantadora e de longe a cidade mais charmosa que já conheci.

Há ainda o contraste entre a atmosfera sedutora pelos detalhes e a grandiosidade de obras que refletem a nobreza de uma nação que foi centro do mundo por quase dois séculos, no qual seus castelos, palácios e monumentos enfeitam diferentes cantos da cidade e das zonas vizinhas. É possível perceber a nobreza e a elegância de uma forte senhora, que já desfrutou dos maiores sucessos em seus tempos de glória. Lisboa é ainda um museu a céu aberto, repleta de história e de nossa história, e que nos faz sentir, ao final, também um pouco lisboeta.

Em breve um novo relato sobre nossas impressões de Barça!

Diário de bordo | primeiros 60 dias de casados

15086460_1129609297089013_1923916875_n

Não sei como é para as mulheres, mas entre os homens é quase consenso:

– Casou? Puts! Prepare-se.

– Tenha calma e haja paciência!

– Sua vida será outra. Muda completamente!!

– Namorar é uma coisa, casar é ooooutraaa! Totalmente diferente.

– Prepare-se pra conhecer uma nova Luiza!

– Dormir sob o mesmo teto é muito diferente!! Bem mais difícil!

– Antes vocês discutiam e bastava deixá-la em casa. Agora tem que dormir com o inimigo. É complicado…

– Aproveita, meu amigo. Aproveita enquanto está namorando, porque no dia seguinte ao casamento, tudo começa a mudar.

E passados exatos dois meses do dia em que subimos ao altar, devo dizer: nada disso ainda foi verdade. Pelo contrário. Talvez esses tenham sido os dois meses mais divertidos de nosso relacionamento, pelo menos para mim.

Sim, algumas coisas mudam. É uma nova rotina, um novo lugar onde morar, uma nova forma de fazer as coisas, novas despesas, cozinhar, lavar, faxinar.

Sim, alguns conflitos existem. Ela não gosta que eu deixe as gavetas abertas e eu não gosto que ela ande descalça.

Mas tudo isso é totalmente solucionável, com pequenas adaptações valiosas para uma convivência em harmonia. Além disso, são parte interessante de encaixe e que discutimos, refletimos, corrigimos, policiamos e vamos vivendo em frente. Sem o mínimo estresse.

Novos prazeres são descobertos a partir de novos hábitos e formas de se fazer velhas situações tem uma nova cara. Muito mais empática. Dar faxina? Ok, não é meu hobby preferido para um sábado de manhã. Mas limpar a sua casa e os móveis que você escolheu com carinho para receber seus pais em um almoço junto de sua esposa, ouvindo música, já não parece um monstro tão grande, pelo contrário. Cozinhar a dois? Pode ser também muito divertido. Lavar a roupa (a máquina lava) enquanto o outro tira o lixo e arruma a cama? Tudo certo também. Lavar o banhei… (não, esse tópico ainda estamos em fase de negociação). Mas o certo é que uma divisão de tarefas equilibrada deixa tudo mais fácil, sem que nenhum possa jogar alguma coisa na cara do outro.

3f3ca80a-e577-4c8b-9bf7-a567026f8384

E aquele papo de que você não conhece a pessoa até morar junto é a maior balela do mundo. Acho que é muito mais o fato de você não conhecê-la bem enquanto namoram, aí, naturalmente, quando se casarem vocês perceberão as diferenças, porque não se conheceram mesmo ora. Mas para nós, ainda mais depois de tanto tempo de namoro, cada defeito e virtude do outro são muito íntimos a nós. Reconhecemos aquilo que deixa o outro feliz; aquilo que o chateia; aquilo que simplesmente não importa; aquilo que importa muito. Então não há muito porque ter conflito de convivência. Para nós, por ora, o que temos é uma profunda afinidade reforçada pela proximidade e relação diária. Vivemos evitando os conflitos e buscando os momentos de felicidade, que muitas vezes são os mais simples, como acordar junto e fazer uma hora até levantar, esperar o outro para escovar os dentes dançando e, até, (pasmem) dar a terrível faxina.

3135e58c-2b01-4e71-8df5-08256f7fa684

Por enquanto é isso. Como disse acima, são apenas 2 meses. O universo é pequeno para qualquer pesquisa mais profunda, mas sobrevivemos bem e seguimos adaptando da melhor forma como conseguimos. O casamento não é o monstro que as vezes tentam nos vender. Principalmente se você escolher a pessoa certa, como eu felizmente escolhi. Câmbio, desligo.

 

 

TENSÃO PRÉ- CASAMENTO | Por uma noiva ansiosa

657x302

Teste de cabelo e maquiagem, reunião com decorador, contraprova de degustação, cerimonial, chá de panela, prova de vestido, escolha de acessórios… A lista de coisas para fazer parece interminável e realmente é. Só não parece tão monstruosa quanto para nossos queridos noivos que ficam com a “seleção da seleção”, aquele filtro dos últimos 3 fornecedores de uma lista com 40, afinal, quem vai confiar tarefas tão detalhistas a eles, os reis da praticidade?

Confesso, sou aloka da planilha do check list. Passo e repasso mil vezes o que ainda falta, mas fui tão prática em fechar diversos fornecedores só por Whatsapp que fico até espantada. Não conheço a cara de vários e espero que tudo saia conforme combinado! #OREMOS

casamento-noivos-altar

Imagino que as noivas sejam 98% iguais (Bridezillas kkkk). Todas nós queremos um casamento que saia como meticulosamente planejado, igualzinho os das princesas Disney (tirando o fato de que elas não devem contar com uma queda de energia em seus Castelos ou um buffet de salgadinhos frios e cervejas quentes). Seria muito  mais fácil se tivéssemos uma fada madrinha como elas. As vezes até temos (o que seria de nós sem um cerimonial atencioso?), mas como elas ainda não vêm com varinha encantada incluso no pacote, fico eu aqui, estressada e controladora.

Acho que isso é resquício de minha época como coordenadora de eventos, em que confiar em fornecedores nunca era fácil. Sei que muitas coisas podem e vão dar errado. A ansiedade aumenta, mas já estou tentando me preparar psicologicamente para isso e deixar mil planos B traçados. Será que existe um Santo das Noivas??

Diferentemente do Patrick, coloquei mais energia na comemoração do casamento e não no pós, na vida a dois. Não que eu não ache legal e nem queira muito isso, mas meu sonho de casar de véu, grinalda e uma festança já faz parte do meu imaginário desde sempre e acompanhar esse sonho se tornando realidade é uma satisfação muito grande. Quanto ao pós casório? Isso a gente vai construindo depois, lado a lado, focando no carinho, na paciência, no respeito e na parceria. Já fazemos isso há 12 anos, não é possível que seja tão difícil. Então, por ora, que venha a festança!

 

Tensão Pré-Casamento – por um noivo limitado

video

Não sei como é para os outros noivos, mas para mim, o casamento é dividido em duas frentes. A primeira e tão celebrada é a cerimônia, com toda a sua festa, pompa e diversão. A segunda é o pós-cerimônia, com a mobília do apartamento e todo seu planejamento para uma vida diferente, casado, em uma nova família fora da casa dos pais. E dentre as duas, confesso, sempre me preocupei muito mais com a segunda.

A festa deve ser linda, afinal, está sendo preparada há mais de 18 meses e independente das coisas saírem ou não como esperado, deverá ser ótima. Ora, estaremos rodeados por pessoas que amamos, sentindo o carinho e a boa energia de amigos especiais, tomando Whisky, sorrindo, dançando e celebrando como nunca.

Já a vida de casado envolve algo que eu nunca vivi. Muito distante da minha realidade. Com novas responsabilidades administrativas que vão de lavar minha própria meia a ter de trocar o gás da cozinha (ou será que não troca? É encanado ou botijão?). O relacionamento também atinge uma nova escala, agora muito mais íntimo, físico e emocional. Isso parece o máximo, mas como toda grande mudança gera incertezas, cria dúvidas e motiva expectativas.

feira dos noivos

Feira de noivos!

Por tudo isso e somado pelo fato de ter uma leonina ex-coordenadora de projetos ao meu lado, admito, até agora grande parte do trampo ficou com ela. Também pudera. Imbuída por esse sentimento arrebatador que contamina toda mulher em período pré-casamento, ela conseguia focar em 10 coisas diferentes ao mesmo tempo, enquanto eu, coitado, fazia de tudo para parecer entender aquela única função que ela tinha me passado. Mesmo porque, se não entendesse, tudo bem, ainda faltava tanto tempo para o evento.

Mas agora, faltando apenas 3 meses, finalmente me sinto próximo do casório. Ainda não ando com tantos checklists quanto ela, mas a TPC (tensão pré-casamento) está batendo. De modo que por mais que tenhamos feito tanto, ainda parece muito a se fazer. É reunião com fornecedor, tirar certidão de nascimento no cartório (por que, Deus?), reservar hotel, comprar as últimas bebidas, escolher o terno, fechar a lista de convidados (ah, a lista de convidados!!!). Pus, não vim com o modo noivo inserido em meu hardware como toda mulher parece vir. Isso porque ela, profissional do matrimônio, ainda absorve boa parte dos preparativos. Fico imaginando como seria um casamento meu comigo mesmo. É certo que seria um churrasco, no sábado, organizado na sexta, com um checklist de carne, carvão, cerveja, refri, um bom churrasqueiro e uma bandinha pra animar a rapaziada.

De todo modo, vamos tocando em frente. Com o foco agora quase que absoluto na maridança. Com a minha programação anotada, vou eliminando um item por vez, não com a destreza multitarefa dela, mas com a limitação mundana de um noivo em pré-pânico. E saiba, se alguma coisa não der certo no grande dia, muito provavelmente a culpa é desse reles mortal que vos escreve.

 

O que esperar da vida de casado?

12782489_947395291977082_924261015_n

Com o casamento marcado e se aproximando a passos largos o imaginário distante começa a tomar contornos de realidade. É fato: uma nova etapa está para se iniciar. Com todas as cores, sabores e humores que muita gente fala, mas que só quem é casado pode mesmo afirmar. Para nós, no momento, o desconhecido parece aguardar. Será?

Esse embate, confesso, muitas vezes me deixa intrigado. É como aquela série que termina com seu personagem preferido estatelado no chão com cara de morto e que faz sua expectativa sobre a próxima temporada ir lá em cima, com você apreensivo e com medo pela morte inerente do herói, mas também em êxtase e esperançoso de que era só um jogo de cena e que ele reaparecerá Vivão da Silva, pronto para destruir os Outros e conquistar Westeros. Nesse caso, as duas hipóteses são possíveis. No casamento, também. E como tudo aquilo que não se sabe, um misto de alegria e frio na barriga que nos deixa ainda mais ansiosos toma conta.

12782020_947395701977041_1304648505_n

De uma lado a teoria que parece ser a mais popular e que cansamos de ouvir nos últimos meses. A que fala que só conhecemos verdadeiramente uma pessoa depois de vivermos com ela sob o mesmo teto. Esse argumento tem força. Fatores como a convivência quase onipresente, choque de cultura e criação e falta de liberdade são campeões na geração de conflitos quase indissolúveis e pauta de reclamações no cafezinho da empresa no dia seguinte. Realmente não deve ser fácil. Hoje, por exemplo, quando chegamos a discutir podemos tranquilamente ir cada um para sua casa, dormir sozinhos e esfriar a cabeça para no dia seguinte, com mais calma, resolver os problemas anteriores com mais razão e menos emoção.

Do outro a corrente menos frequente, mas que ainda sim é ouvida e é um alento e tanto para nossas previsões. A que com algum tempo de namoro tão intenso (e ainda com tantos anos juntos, como o nosso) você inevitavelmente acaba por conhecer sim a pessoa que escolheu pra dividir o coração e que a vida a dois só diminui a distância e aumenta a sintonia do casal. Confrontos continuarão existindo, mas a proximidade poderá reforçar a parceria e melhorar o diálogo de forma que só o sentimento de família (algo difícil enquanto solteiro) pode oferecer.

Para qualquer casal em nossa posição é fácil imaginar qual time tem a maior torcida. A ideia de se unir para somar, buscando na vida conjugal uma experiência terrestre mais feliz e realizada para mim é a única justificativa pela qual as pessoas deveriam se casar. Logo, por mais sedutora, romântica e até ingênua que possa parecer, é também a que faz mais sentido. Mas sabemos também que na prática nem sempre o melhor time leva. É preciso ter calma para encontrar a batida perfeita e entender que em momentos de mudanças como esse, todos precisam de um tempo para se adaptar e é justamente durante esse período de encaixe que a divergência deverá aparecer com maior força.

Sob alguns aspectos não casaremos enganados (Lu não gosta de arrumar a cama, Patrick não sabe cozinhar/Lu dorme antes de acabar a novela, Patrick dorme após o Programa do Jô/Lu só toma leite desnatado, Patrick faz questão do cafezinho). Sob outros, só o tempo dirá. Tempo, tempo, tempo. Só nos resta aguardar.

collage

 

E você, o que acha? É casado? Melhor ainda. Conta pra gente.

Um breve 2015 e um leve 2016

Industries-in-2015-landing-page-image

Caros leitores,

2015 foi um ano duro. Sim, duro. Onde duro não quer dizer bom ou ruim, apenas duro. Não conheço uma definição melhor. Difícil talvez seja um sinônimo suficientemente bom, mas não quero soar negativista. Mesmo porque não foi um ano negativo. Tivemos vários momentos positivos e são justamente esses motivos que nos fazem escrever a vocês no último post do ano.

Primeiro, devemos desculpas. Saímos do ar (não literalmente) sem explicações. E isso não foi certo. Mas nos acumulamos em várias funções e obrigações de modo que estava praticamente impossível escrever, além de dificuldades externas. Por mais que pareça simples, ter um blog não é fácil. Sobretudo se você quiser fazer bem feito, engajado e com conteúdo interessante, como sempre tentamos, conseguindo ou não. Em todo o caso, pedimos desculpas pelo “sumiço”.

2015 talvez tenha sido o ano de mais mudanças bruscas em nossas vidas, tanto no que tange à nossa vida de casal quanto nos laços envoltos de nossas famílias. Do profissional, pessoal, emocional, familiar, todos os campos tiveram seus dias de vitórias maravilhosas e de derrotas incalculáveis, como em nenhum outro ano, acredito. Tantas novidades que até um sobrinho ganhamos, acreditam?! Filho de um nosso casal leitor/irmão/amigo/beijo pra eles.

Nesse meio tempo que passou, algumas coisas que merecem destaque aconteceram. Uma das mais legais delas é que finalmente, depois de longos 11 anos da Lu me enrolando (não fique brava, amor), ficamos noivos. Os amigos próximos já sabem. Foi no dia 17 de Outubro, um fim de semana emocionante e cheio de surpresas (depois se a Lu quiser contar sua versão de como foi, faremos um post a respeito), que marcou um novo ponto em nossa história. Confesso que ainda estamos nos acostumando. Ainda é comum frases como “Gostaria de uma reserva para mim e minha namorad… noiva”. Ou “Levarei meu namorad… noivo”. Ainda chegaremos lá. Embora é provável que quando nos lembrarmos dos noivos, já esteja na hora de trocarmos por marido e esposa. Essa é outra novidade. A data está marcada e estamos a todo o vapor com o planejamento do casório (não estamos grávidos! rs). O filósofo que cunhou o ditado “É só marcar que chega” estava mais do que certo e Setembro de 2016 já está quase aí para nos provar. São milhões de coisas para orçar, analisar, visitar, experimentar, orçar de novo e fechar, mas é uma etapa muuuito legal.

912696_913909011992377_1358068630_n

No mais é só isso tudo mesmo. Não poderíamos deixar virar o ano sem agradecer por todas as mensagens maravilhosas que recebemos de leitores tão queridos e que ainda visitam o blog mesmo há meses sem conteúdo. Ter qualidade à quantidade é uma regra absoluta nos meios de social media e o engajamento de vocês só contribui com a verdade disso. Desejamos a cada um de vocês um Natal maravilhoso, no qual os verdadeiros sentimentos de alegria, renovação e amor sejam cultivados entre vocês e suas famílias. E que o 2016 marque um ano de felicidade e realizações para todos nós. Agora é festa! Divirtam-se.

Um beijo.

Patrick e Lu

DESTINO DE FÉRIAS | Ilha Grande

Venho por meio dessa avisar que é oficial: as férias finalmente chegaram! \o/ Depois de mais um semestre daqueles (graças a Deus), é hora de dar uma pausa, relaxar e se preparar para a segunda parte de 2015. E para aproveitar da melhor maneira possível estamos fazendo as malas para um destino que já há algum tempo estávamos doidos pra conhecer: Ilha Grande, no Rio de Janeiro.

roteiro ilha grande

Ilha grande faz parte de Angra dos Reis, costa oeste do Rio de Janeiro. Como o nome já diz, a ilha é realmente enorme, com dezenas de praias e algumas acessadas apenas por trilhas na mata. A curiosidade de lá é que, diferentemente de Ilha Bela (onde fomos e também é lindo) não se pode entrar de carro, tudo por lá é ou a pé ou de barcos/lanchas. Talvez por isso o local seja tão bem preservado, com inúmeras belezas naturais, animais silvestres e águas cristalinas.

ilha grande

É verdade que o start dessa viagem foi dado meio de uma hora pra outra, quando vimos coincidentemente uma matéria no Globo.com falando que a praia de Lopes Mendes, uma das maravilhas da ilha, estava entre as 10 praias mais bonitas do mundo. Com uma fachada dessa, não deu pra resistir. Compramos passagens, reservamos pousada e lá vamos nós.

Mas como todo mundo sabe, a parte boa da viagem começa muito mesmo antes do embarque. O planejamento de onde ficar, o quê visitar, como comer, vestir e se divertir é uma das partes mais legais do roteiro. Por isso, fizemos um guiazinho rápido sobre a ilha e que pretendemos estudar até a próxima semana, que é a data da viagem.

Estamos contando as horas. Em todo o caso, se você tiver ainda alguma dica, sugestão ou informação que acha interessante, compartilhe com a gente. É sempre o máximo saber de pessoas que já conhecem o destino. Na volta, com certeza, vamos ter um post com nossa opinião sobre a ilha e esperamos poder contar muitas coisas boas de lá.

we

 

See you!

Feliz dia do eu amo você

namorados

Feliz dia daquele momento perfeito.

Do me conta como foi o seu dia.

Do me espera pra ir à academia.

Do você linda de qualquer jeito!

 

Feliz dia do bar melhor que a boate.

Do coloca um filme pra gente.

Do me espera pra escovar o dente.

Do quem é aquela biscate?

 

Feliz dia do traz a toalha, por favor.

Da noite dormida em conchinha.

Das meias que pensei serem minhas.

Dos abraços cheios de amor.

 

Feliz dia do hoje eu vou cuidar de você.

Do estou com tanta saudade.

Do você não sabe a vontade.

E de tudo que eu quero fazer.

 

Feliz dia do brigadeiro com cobertor.

Da noite com vinho e fondue.

Das receitas sem queijo Brie.

Da companhia que vale mais que o sabor.

 

Feliz dia do amor fruto do improviso.

Do café servido na cama.

Do acordar todo cheio de manha.

Que me envolve com um largo sorriso.

 

Feliz dia do te pego pra ir ao cinema.

Do hoje você quem dirige.

Da espera dominical que aflige.

Da música que virou nosso tema.

 

Feliz dia do eu te amo demais.

Do meu anjo, meu dengo, minha lua.

Do meu beijo na esquina ou na rua.

Do namoro que não acaba jamais.

 

Feliz dia da soma de todo clichê.

Do presente sem hora marcada.

Do encontro de almas seladas.

Por mais um eu amo você!

Aniversário de namoro | Ele, Ela e o mundo

Se ele tivesse escolhido, o namoro talvez não teria sido sua primeira opção. Mas quem disse que a gente escolhe esse tipo de coisa? Ainda mais com ela, uma leonina de raça pura com toda a realeza que seu horóscopo desconfia e que sua autoestima tem certeza. Se era um jogo de dois, o dono do apito não seria ele. Partiria dela. Se, e somente se, ela quisesse, começaria. Para o bem dessa história ela quis. 11 anos atrás.

Ele ainda tinha muitas dúvidas. Novato e ainda se ajustando, tudo era novo e diferente. Ela, por outro lado, já reinava. Líder, capitã da equipe e até garota da tocha. Hoje não parece muita coisa. Mas na época era o ápice que a hierarquia escolar permitia. Nasceu estrela e de DNA global.

Mas se os opostos se atraem os diferentes se completam e de esquina em esquina, 43 dias depois, eles deram o próximo passo. O que começou escondido ganhou alvará, com direito a almoço com o sogro, recados nas paredes e mãos dadas no recreio.

O tempo foi passando. E se faltava maturidade, sobrava vontade de descobrir o que era aquilo que nascia a partir do carinho e respeito mútuos. Uma troca generosa, em que ele ensinava a ela como tirar o melhor do mundo e onde ela ensinava a ele em como tirar o melhor de si mesmo. Uma troca que ele nunca poderá esquecer, pois tem certeza que jamais seria metade do homem que é se não fosse por ela.

O namoro de escola amadureceu com o passar dos anos. Juntos, descobriam todas as maravilhas de um amor infantil. Da inocência, da necessidade de paciência e do desatino da aparência. Superaram a instabilidade dos hormônios da adolescência. Não sem dificuldade. Brigas aconteceram e até um término. Que não durou mais do que 48 horas, já que a distância era a maior das penitências para quem desde os 14 anos se acostumou com a delícia de se ter com quem compartilhar.

Cresceram juntos, erraram e acertaram juntos e se encontraram juntos. Onde, em algum momento, faltou compreensão, transbordou amor, esse sentimento indefinido, verbo, substantivo e adjetivo que jamais existiria em primeira pessoa. Juntos (sempre), descobriram a força do “nós”. De como ele faz bem pra mente e do tanto que isso acalma a alma.

E hoje, assim como todos os dias em que completam aniversário de namoro, ele comemora também o nascimento de uma pessoa melhor que ela ensinou a ele como ser. Ela sempre foi sua fonte de razão, sua maior paixão e a grande inspiração e por isso, nesse dia ele não espera presente, pois não pode existir nada mais valioso do que ela deu a ele 11 anos atrás. A chance de ser dois, que sempre será mais do que um. Afinal, como alguém muito inteligente disse a ele uma vez, amar é ter poder. E ele se sente a pessoa mais poderosa do mundo por ser capaz de ter a ela para amar, de todas as formas que uma mulher como ela possa merecer.

 

UPDATE:

Amor,

Desculpe atrapalhar esse post maravilhoso, mas não podia deixar de vir aqui agradecer a ternura e carinho das suas doces palavras. Ter lido a nossa história contada dessa forma tão especial me fez voltar no tempo e ter ainda mais certeza do quanto sou abençoada por ter um companheiro e amigo tão maravilhoso como você. Nunca pensei que algum dia eu seria capaz de amar alguém do jeito que eu te amo, o que sinto só cresce a cada dia e mal posso esperar para passar o resto da minha vida ao seu lado. Que venham os próximos 11, 22, 33, 44… anos! Amo muito você.